Parte 5 de 5 da peça ácida O amor segundo o Diabo

De Rafa Lima

7. Carrossel sentimental temporal

(Toca “A cavalgada das Valquírias” de Richard Wagner. Entra o DIABO, regendo).

DIABO – Senhoras e senhores, apresento como grande final o carrossel sentimental temporal do Diabo. Eu trago a pessoa amada em três minutos. Entrem, Incubo e Súcubo, minhas marionetes!
(O palco é dividido em 4 pontos, o DIABO perambula pelo espaço ao longo da cena. Ponto
1: CHICO e FLÁVIA, ponto 2: TOM e MIRELA, ponto 3: VINÍCIUS e TATIANA, ponto 4: MARIANO, o amante. Entram o HOMEM e a MULHER para representar todos os personagens do carrossel sentimental temporal do Diabo, modificando em cena de acordo com a necessidade os acessórios de cada um).
DIABO – Quanta juventude! No século 21 com o avanço da medicina a adolescência dura até os 34 anos. Muita atenção! Agora, vocês serão muitos! Vai começar, três, dois, um... (pirado) que venha o fogo!
(HOMEM e MULHER correm para o ponto 1).
FLÁVIA – Chico, depois de tantos anos juntos, descobrimos o segredo do casamento ideal.
CHICO – Abrir mão de viver, Flávia?
(HOMEM e MULHER correm para o ponto 2).
MIRELA – Você é o homem da minha vida, Tom, mas não quero ficar com você.
TOM – Você é louca de fazer isso, Mirela! (Pausa). Não faz idéia de como isso me excita.
(HOMEM e MULHER correm para o ponto 3).
VINÍCIUS – Tatiana, você já me traiu?
TATIANA – Pensamento conta, Vinícius?
(HOMEM corre para o ponto 4).
DIABO – Rápido, revele o amante.
MARIANO – Oi, Tati, sim, eu sou o homem que você sempre quis e você ainda presa a esse molóide. Vou satisfazer todas as suas vontades, mas você tem medo. Vem, Tati, vem.
(HOMEM corre de volta para o ponto 3).
VINÍCIUS – É claro que pensamento conta, Tati.
TATIANA – Vai querer controlar até o que eu penso?
DIABO – Vamos, mais uma volta! Mais rápido!
(HOMEM e MULHER correm para o ponto 1).
FLÁVIA – Alguma vez você pensou em se separar de mim, Chico?
CHICO – O que é isso, Flavinha? De jeito nenhum. (Pausa). Só estrangular mesmo.
(HOMEM e MULHER correm para o ponto 2).
TOM – Se você gosta de mim, Mirela, por que me alfineta tanto?
MIRELA – Você fica lindo quando está bravinho!
(HOMEM e MULHER correm para o ponto 3).
TATIANA – Vinícius, você já mentiu para mim?

VINÍCIUS – Nunca, Tati, nunca.

TATIANA – Você já me traiu?
VINÍCIUS – Ficou maluca?
TATIANA – Se tivesse traído você me contaria se eu perguntasse?
VINÍCIUS – Claro que não!
TATIANA – Pois eu sim! Eu tenho outro.
DIABO – Mais rápido, mais rápido, próxima volta! Hospedeiro e parasita!
(HOMEM e MULHER correm para o ponto 1).
FLÁVIA – Chico, estou com medo, você pensa com freqüência em me estrangular?
CHICO – Aconteceu apenas uma vez, Flávia.
(Silêncio).

FLÁVIA – Com uma corda ou com as mãos?
(HOMEM e MULHER correm para o ponto 2).
MIRELA – Se você e eu não fôssemos tão malucos, Tom, você seria o pai dos meus filhos.
TOM – Mirela, você sempre me diz coisas que me fazem mal. Você é louca! Como consegue ser tão gostosa? (HOMEM e MULHER correm para o ponto 3).
VINÍCIUS – Beleza, Tati, você transou com outro. Só uma coisa me intriga. Quem é melhor na cama? TATIANA – Só isso preocupa você? Vinícius, por que você dá mais valor ao sexo do que às minhas motivações?
VINÍCIUS – Porque o sentido de tudo é o sexo. Os homens pensam assim.
TATIANA – Nem todos!

VINÍCIUS – Todos! A maioria disfarça.

TATIANA – Quer apostar que nem todos são assim?

(HOMEM e MULHER correm para o ponto 4).

TATIANA – E, então, Mariano, ele concluiu dizendo que as mulheres utilizam o sexo como um meio, um meio para atingir um objetivo emocional, já os homens enxergam o sexo como um fim, um fim que vale o uso de qualquer meio.

MARIANO – Mas, Tati, ele quis mesmo saber quem é o melhor na cama?

TATIANA – Quis. Dá para acreditar?

MARIANO – Incrível. (Silêncio).
MARIANO – E aí, qual dos dois é o melhor?
(TATIANA grita de raiva).
DIABO – Vamos mudar de cavalinhos, crianças! Acelerem o carrossel! Eia! (Grita e gesticula como se chicoteasse cavalos. O HOMEM corre para o ponto 3 e a MULHER corre para o ponto 2).

VINÍCIUS – Eu me arrependi do que fiz com você, Mirela. Volte para mim.
MIRELA – Você é casado, Vinícius.
VINÍCIUS – Isso importa?
(O HOMEM corre para o ponto 2 e a MULHER corre para o ponto 3).

TOM – Tatiana, você ainda está envolvida com os dois?
TATIANA – Gosto de cada um de maneiras diferentes.

TOM – Qual dos dois é o melhor, hein?

TATIANA – Até você, Tom?

(HOMEM e MULHER correm para o ponto 1. CHICO e FLÁVIA entediados ao extremo, silêncio absoluto, ele olha o relógio, ela se coça, ele tosse, ela sorri amarelo).
DIABO – Vocês, humanos, são produtos do que as suas mentes consomem, mas nunca é o bastante e por isso vocês se consomem! Próxima volta! Rápido! Rápido! Rápido!

(HOMEM e MULHER correm para o ponto 3).

VINÍCIUS – Vai me trocar por aquele pé-rapado? (Corre para o ponto 2).

MARIANO – (Cheio de si). Nem adianta fingir que não foi uma delícia. (Corre para o ponto 3).
TATIANA – Não quero mais nenhum dos dois.

(HOMEM corre para o ponto 1 e a MULHER corre para o ponto 2).

CHICO – (Estrangulando um pescoço imaginário). Com as mãos mesmo!
MIRELA – Quero, mas não quero.
(HOMEM corre para o ponto 2 e a MULHER corre para o ponto 1).
TOM – É uma relação doentia!
FLÁVIA – Eu sou sempre tão boazinha!

DIABO – Vamos ao êxtase!

(HOMEM e MULHER correm e se trombam).
MULHER – Não agüento mais.
HOMEM – Eu também não!
MULHER – O tempo é a cura.

HOMEM – O Diabo é a neurose.
(Os dois se abraçam e se protegem no fundo do palco. Entra MIGUEL em estado de combate).
MIGUEL – (Ameaçador). Pare com isso, demônio! É o fim do seu sadismo sobre essas mentes.

DIABO – (Demoníaco). Vem, passarinho, vem! Vou devorá-lo!

(MIGUEL e o DIABO se colocam em imagem mítica de confronto, a luz muda, uma catástrofe natural parece se aproximar, ouvem-se portas e janelas batendo, trovões se misturam a um som de medo).
MIGUEL – Quantas vezes teremos que provar que o método mefistotélico baseado na ambição humana não passa de uma deturpação? O ser humano é um animal solitário, mas no bem-querer do outro encontra o elemento que os eleva além da solidão, a troca interpessoal, o grande encontro de linguagem viva, o homem a aquece, enquanto a mulher o acalma, a empatia, colocar-se no lugar do outro, criar maior potência a partir da simbiose. Amálgama! Demônio, tantas barbaridades você representou na mente desses dois jovens humanos. Somente concordei com algo que você disse no início do seu espetáculo de horrores. O amor nada tem a ver com as conquistas ou novos mundos que a relação possibilita, mas sim com dividir-se, como você bem disse, amar é oferecer. Só é amor aquilo que você oferece.

DIABO – Miguel, sabe que eu estava sendo irônico. Uma provocação aos discípulos de JC. Não me venha com sermões. Fugiu da luta, passarinho?
MIGUEL – Até quando vai bancar o durão, Lúcifer? Você sabe bem o que é amar, já se ofereceu por completo. O maior amor que já existiu. Você não desistiu de amar aquele que lhe concedeu a vida, mesmo quando Ele abandonou você. Tanto que o seu amor pelo poder da criação acabou rejeitado por todos nós pela sua megalomania feroz. Você se orgulhou de tamanho sentimento, mas nunca entendeu para valer, Deus só faz sentido se for para reconfortar.
DIABO – No momento em que fui mais grandioso eu fui rejeitado. O maior amor da História é um caso clássico de egocentrismo do criador. A troca no fim das contas é um eterno virar de costas. Acabei banido. Vocês precisam de vilões para mascarar os próprios crimes!

MIGUEL – Você foi banido porque transformou a rejeição em vingança, o sentimento em ressentimento.
DIABO – Fora daqui, arcanjo! Por que me traz essas lembranças?
MIGUEL – Para interromper esse circo. A humanidade precisa do amor, precisa da redenção, precisa da esperança! Por mais ingênuos que possam parecer. Eles merecem acreditar que podem ir além do vazio. Tantos métodos de conhecimento, tanta ciência, e tudo o que fazem ainda hoje diz respeito a preencher o vazio. Não tente lhes tirar esse direito.

DIABO – (Muito calmo). Jamais desistirei, passarinho. Vocês me reduziram a uma mentira. Sabem bem disso. Eu me tornei grande demais. Agora sou um colecionador de sonhos humanos destruídos. No século 21, o amor é um vômito ansioso, uma ausência premeditada, uma mentira corporativa que permite que as pessoas se suportem por um tempo cada vez menor!
(MIGUEL e o DIABO sentem uma alteração no universo).
DIABO – Que truque é esse?
MIGUEL – Eu avisei. Não temos mais poderes sobre os dois jovens. Agora, somos apenas ilusões nas suas mentes.
DIABO – Perdi esses dois, mas outros alimentam a minha grandeza. Você precisa de mim tanto quanto eu preciso de você. Sabe disso.
(A MULHER toma o centro do palco para si, o HOMEM a acompanha, falam com sinceridade sem ser piegas).

MULHER – Lembrei quem eu era antes de vir parar aqui.

HOMEM – Quer dividir comigo?
MULHER – Claro. Passamos por tantas coisas juntos durante esse tempo terrível.
HOMEM – Quem era você?
MULHER – Uma mulher cheia de sentimentos que lutava por direitos iguais numa sociedade machista. Que bom. O passado já não mais me atormenta.
HOMEM – Eu gostaria de ter dito isso antes. Quer ser livre comigo? Quer marcar a minha vida para sempre? MULHER – Se você quiser crescer comigo e através de mim. Que engraçado, parece que nos conhecemos há muito tempo.
HOMEM – Posso cuidar de você?
MULHER – Tanto quanto eu puder cuidar de você.
HOMEM – É bom demais sentir isso.

MULHER – É mesmo. Tem gosto de renascimento.
HOMEM – Você me aceita como eu sou. É bom demais. Você controla as suas antecipações.

MULHER – Mas também quero fazê-lo crescer, só que para isso tenho que aprender muito com você. HOMEM – Podemos inventar um mundo só nosso.
DIABO – (Enojado). Ah! Quanta doçura inútil! Essa união não dura dois anos.

MIGUEL – Vai durar muito mais.

DIABO – Quer apostar?

MIGUEL – Sabe que eu não aposto.

DIABO – Amarelão!

MULHER – (Para os seres míticos). Podem parar de se meter? A nossa vida amorosa só diz respeito a nós dois.
HOMEM – Por que não desaparecem de uma vez?

MIGUEL – Perdão.
DIABO – Eva, você sempre foi uma neurótica com mania de perfeição, não vai mudar agora, vai? Claro que não. Logo, o Adão estará entediado, gordo, desejando outras Evas em segredo. O ser humano se cansa do parceiro extremamente leal. Aproveitem a nova prisão que criaram. Até sempre. Sonhe comigo, passarinho. (Retira-se com mistério).

MULHER – O Diabo precisa de um antidepressivo com urgência.
HOMEM – Tipo uma foda bem dada?
MULHER – Adão! Olha os modos!

MIGUEL – Creio que vocês escolheram um bom caminho, a vida melhora sempre que se lembram por que tudo começou, a tremedeira nas pernas, o brilho no olhar, a taquicardia. Conhece a ti mesmo e cuida bem do outro. (Pausa). O ressentimento o Diabo que carregue! (Desaparece).
HOMEM – Isso era um anjo mesmo?

MULHER – Só se for um anjo da Era de Aquarius. Mas não importa. Eu não acredito que interferências externas possam orientar a minha vida. Está tudo na mente.
HOMEM – Tem razão.
MULHER – Vem cá, gatinho!

HOMEM – Adoro mulher que toma a iniciativa de vez em quando para variar.
MULHER – Sou apaixonada por esse seu olhar perdido.
HOMEM – Eu tenho fome da sua boca.
MULHER – Quer comer torta de maçã?
HOMEM – Quero comer todinha.
(Começa a tocar “Can´t take my eyes off of you”, em qualquer versão, os dois se beijam. Enquanto isso, o DIABO ressurge sem que eles percebam, vestido em uma placa de frente e de costas, como a de um anunciante de loja de câmbio ou de compra e venda de ouro do centro da cidade, à frente, lê-se: “Final feliz”, às costas está escrito: “O fim está próximo”. O DIABO caminha de um lado para o outro com uma sineta na mão como um profeta do Apocalipse, enquanto o casal se curte com delícia, com a música ainda animando, a luz vai enfraquecendo até se apagar).
(Música do agradecimento: “Samba do grande amor” de Chico Buarque).


O ressentimento o Diabo que carregue!



FIM


O sentimento não pode parar!



Pague pelos anúncios e tenha bons frutos no amor! (Ou aprenda fórmulas de ironia)


Veja filmes antigos do Scorcese, leia Rubem Fonseca, ouça Beethoven, faça sexo com cuidados básicos, volte sempre ao Fantástico mundo do Rafa!

18 comentários:

Rafa Lima disse...

Fico feliz que a minha terceira peça, O amor segundo o diabo, tenha gerado tantas reações. Publico a seguir alguns dos comentários que chegaram até mim para que vocês tirem as suas próprias conclusões. Divirtam-se!

Alexandra Vianna disse...

ahhh diabinho... bom demais! o que um bom obsessivo não produz em meio a tantas histéricas?

estreia prevista para qdo? gostei mto mesmo! quero segunda fileira para não receber cuspe de ator nem bala de metralhadora!! homem sensível e bipolar histérica tão excelentes!

Bjos, chambi

Airam Pinheiro disse...

Hehehehe... um clássico Rafa Lima! O carrossel do final é ótimo.

Peteleco na orelha,


Airam

Ruben Berta disse...

Bem bacaninha o texto, camarada. Já descontraiu a minha madruga nessa insólita redação de jornal capitaneada por um único e solitário plantonista até o dia amanhecer... Uma vez por mês, faço o fim de semana nesse horário louco...



Estás fissurado no tema/dilema, hein?

Amor existe, sim, dura a vida toda, talvez até mais... Se não descobriu ou o seu anda perdido por aí, o jeito é espalhar carinho pelo mundo... Sigo romântico... Hehehe... Um dia desses, a gente troca umas idéias (corretor burro de internet sem reforma ortográfica...).
Sigo prum plantão na porta da Polícia Federal...

Abração.

Sabrina Pivato disse...

Oi Rafa!
Essa peça vou ter que ver... a parte da mistura dos idiomas é mtooooooooo boa! Mandarim, hauahauahau! (eu estudo!)
I used to love her but I have to kill her... rsrsrsrs...
Tem mta coisa boa!
Parabéns, adorei!
Bjus
Bina

Sabrina Pivato disse...

Ah! Mandou bem na música final! rs

Jorge Itapuã disse...

Fala aí Rafael,

acabei de ler a peça.

Gostei bastante, me diverti, refleti, concordei e discordei...

Deu vontade de fazer, ver pronta...

A cena do carrossel é bem louca, fiquei curioso pra ver como vai acontercer.

Parabéns!

Homens e Mulheres, Anjos e Diabos...

No mais é isso quando for fazer a leitura me dá um toque.

E o ressentimento o diabo que carregue.

Axé.

Jorge Itapuã

Ana L. Siqueira disse...

Muito boa! Me deu vontade de voltar a fazer teatro ;)

Beijos

Ingrid disse...

Quanto mais eu leio o que você escreve, Rafael, mais me encanto com o seu talento em atuar em diversas linguagens, romance, contos, crônicas e essa peça divertidíssima e cheia de cargas sentimentais. Torço muito para que você consiga realizá-la. Você merece de volta toda a criatividade que oferece ao mundo. Beijocas!
Qual será a nova invenção?

Pedro Laureano disse...

Li! Gostei! Várias reflexões, elogios e críticas. A serem discutidas com ou sem cerveja. Vou reler pra mergulhar mais tb. ;)

Alice disse...

Palmas de pé! Eu me diverti muito mesmo com a sua peça, espero que seja montada logo. Beijão, cuide bem dos cachinhos que cobrem essa mente criativa.

Fernando disse...

Show de bola, cara! Parabéns pela inspiração e espero que todo mundo tenha levado na boa!

Manuela disse...

Ahhhhh! Sempre você para me surpreender com esses textos de pura intensidade! Repertório vasto, hein? Que diabo que nada! O verdadeiro levado é você, beijão!

vasco disse...

Partiu, bateu, é gol!

GOOOOOOOOOOOOOOOL!!!

Camila Soares disse...

Parabéns ao mais criativo e encantador irmão do meu mundo! Parabéns pelo trabalho intenso e impecável e pelos aninhos a mais (que os meus) que está completando hoje! Te amo, boa sorte, vai dar tudo (SEMPRE) certo, PRA VOCÊ!

Fashion disse...

hahahahaha
Eu adoro, como sempre! Uma coisa que aprendi com voce foi: A vida é muito importante para ser levada à serio, segundo um amigo seu =)

Muuito boom

DIABO disse...

E QUE VENHA O FOGO!!!!!!

E FOMOS AO ÊXTASE!!!!

TEM COISAS, QUE SÓ O RAFA FAZ POR NÓS!!!!

NÃO TEM A FÚRIA AUTODESTRUTIVA DO GABRIEL, NEM A ARROGÂNCIA METIDA A SUPERIOR DO RAFAEL LIMA (quanta vontade de falar isso) hohohoho

MUITO BOM!!! BEIJUNDA

Paloma Riani disse...

Rafa, é ótimo, divertidíssimo,contemporâneo!!! Parabéns!!!
O Homem Sensível que morre toda vez qe ouve a verdade é sensacional!!!kkkkk
Corre atrás pra montar, penso que Diabo e Anjo precisam ser dois atores bem inteligentes e de muito humor, não engraçado, de humor afiado.
Dá pra fazer mesmo com quatro atores? Ótimo exercício.
O que tem mais pra ler?
bj,
Paloma